Tag Archive: kde


Desde que instalei o Kubuntu 16.04, codinome Xenial Xerus, estive tentando obter thumbnails/miniaturas de arquivos de vídeo no Dolphin 5 no KDE/Plasma 5. Tentei instalar vários pacotes dos repositórios oficiais: ffmpegthumbs, ffmpegthumbnailer, kffmpegthumbnailer, mplayerthumbs, etc. Nenhum deles funcionou.

Continuei procurando e encontrei num fórum a sugestão de compilar e instalar o ffmpegthumbs a partir do código fonte. Compilei e instalei, mas não funcionou. Foi então que me deparei com esse vídeo do usuário Max Wiedmann do Youtube, e após seguir as instruções consegui obter as benditas thumbnails de vídeo no Dolphin.

Vou colocar aqui os comandos necessários para compilar a instalar o ffmpegthumbs:

$ sudo apt-get install git build-essential cmake extra-cmake-modules kio-dev pkg-config libavformat-dev libavcodec-dev libswscale-dev

$ git clone git://anongit.kde.org/ffmpegthumbs

$ cd ffmpegthumbs

$ mkdir -p builddir

$ cd builddir && cmake .. -DCMAKE_INSTALL_PREFIX=$(kf5-config –prefix) -DCMAKE_BUILD_TYPE=Release -DKDE_INSTALL_USE_QT_SYS_PATHS=ON

$ make

$ sudo make install

Omiti o comando “git checkout origin/frameworks” pois ele não encontra esse arquivo no repositório Git do ffmpegthumbs. Felizmente, mesmo sem esse arquivo, o ffmpegthumbs funcionou. Talvez você tenha a mesma sorte.

Anúncios

O tema padrão Oxygen do KDE é muito bom, com cantos arredondados e cores que não cansam a visão, além de possuir um belo efeito de transparência borrada nos painéis em plasmoids. É possível também fazer com as janelas fiquem transparentes, mas existem dois problemas com esse efeito: ele deixa tudo transparente, incluindo a textos e imagens, deixando o desktop perto do não-usável; e o efeito não é aquele borrado bonito como o do painel.

Para solucionar esse problema, existe o tema Oxygen Transparente, um fork do Oxygen padrão que acrescente o efeito de transparência borrada à todas as janelas (ou deixa algumas sem, caso queira) de programas do KDE. Vejam como ficou:

Lembrando que apenas programas escritos usandos as bibliotecas Qt terão acesso ao efeito. Programas escritos em GTK ou outras bibliotecas NÃO terão acesso ao efeito.

Para instalar o tema, adicionaremos a seguinte PPA à lista de software:

$ sudo add-apt-repository ppa:hrvojes/kde-goodies

Em seguida, atualize o lista de pacotes e instale o pacote oxygen-transparent

$ sudo apt-get update && sudo apt-get install oxygen-transparent oxygen-transparent-git

Espere terminar e o tema estará instalado. Vamos à configuração.

O pacote oxygen-transparent-git deve ter instaldo um tema de Estilo e um tema de Decorações de Janelas. Para ativá-los vá em: Menu K > Configurações > Configurações do Sistema > Aparência do Espaço de Trabalho > Decorações da Janelas. Clique no tema “Oxygen Transparent” e em Aplicar.


Agora vamos colocar o Oxygen Transparent como tema da Área de Trabalho. Vá em: Menu K > Configurações > Configurações do Sistema > Aparência dos Aplicativos > Estilo. Escolha “Transparente do Oxygen” e clique em aplicar. Para configurar a transparência, ainda na mesma janela, clique em “Configurar” e arraste o seletor de transparência até encontrar um nível que lhe agrade.



Por último, alguns aplicativos não ficam legais com esse efeito transparente borrado, mesmo porque eles já possuem algum tipo de transparência, e acaba que as duas se sobrepõem, gerando um efeito não muito bom. Para solucionar isso, você pode escolher alguns aplicativos que não receberão o efeito transparente. Ainda na janela de configuração, vá em “Execeptions” e escolha os programas que você deseja marcar e dê “OK” em seguida. Alguns programas estão presentes na lista e até marcados, e outros podem ser adicionados. Sugiro altamente que você marque “konsole” e “krunner”, pois eles não ficam legais com a transparência, na minha opinião. Também coloquei o “okular” e o “vlc” como execeções, além de outros.

E um outro adendo, não desmarque “kwin”, pois parece que com essa opção marcada, o KDE tentaria renderizar transparência em todos os programas, inclusive os não-Qt, e isso poderia fazer muitos deles darem crash durante a execução.

Bom, é isso pessoal!

Finalmente resolvi sair do Kurumin NG (pelo menos na faculdade, por que em casa ele persiste), que foi minha segunda distribuição Linux, sendo o Kurumin 7 a primeira. Migrei para o Kubuntu, em sua mais nova versão, a Karmic Koala, lançada em outubro deste ano. Eu sempre usei o KDE em casa e na escola, e com o novo Kubuntu, fui apresentado ao KDE 4, que tem, diga-se de passagem, um visual muito bonito e possui muitas funcionalidades que eu gostei, como os Widgets do plasma.

Na faculdade, eu uso um Pentium 4 3.06 GHz na faculdade com 512 MB de memória e uma placa de vídeo Nvidia GeForce 6200. Não parece ser um computador ruim para rodar o KDE 4 não é? O problema é que o computador tem que ficar rodando o DosEmu o tempo todo, por conta de um programa de gerenciamento da “lan house” da Biblioteca do meu curso. Bem, é que dou uma ajuda por lá, e recentemente atualizei todos os PCs do Kurumin NG para Karmic. Não sei se é o DosEmu, mas talvez seja por isso que o sistema fique um pouco lento. Também pode ser o disco rígido, que já deu problemas de no passado, ou ainda a placa de vídeo, que deu problema agora, na atualização… Enfim, pode ser uma série de problemas, uns mais, outros menos, mas creio que sejam mais de um.

No casa da placa de vídeo, o problema foi visual… Explico. Instalei o Karmic, reiniciei o PC e uma tela de gerenciamento de drivers pediu para que eu escolhesse um driver para minha placa da Nvidia. Eu escolhi o que me recomendado, reiniciei o PC e a aceleração gráfica funcionava perfeitamente… no começo. De repente, começou a apresentar riscos pequenos na rela, depois foram borrões, tarjas, manchas amarelas e todo tipo de anomalia gráfica. O sistema continuava funcionando, mas como eu poderia usá-lo com a tela obstruída com aquelas esquisitices? E antes que digam que é defeito da placa, lhes digo que não é, porque eu usava o Kurumin NG, que é baseado no Kubuntu Hardy Heron, e nunca tive tais problemas. Antes que vocês proponham que deveria ter escolhido outra versão, eu o fiz. Haviam três versões disponíveis: 185, 173 e 96. Testei cada uma das três versões reiniciando o PC e sempre acabava com os mesmo problemas, as mesmas riscas, borrões, tarjas e manchas na tela. O que tive a fazer foi desativar os drivers, mas agora estou sem aceleração de vídeo. Só que me ocorreu uma idéia que não havia pensado antes. No Kurumin NG a versão que eu usava do driver era a 169, então eu penso em ir ao site da Nvidia ou se possível conseguir um pacote deb para o Karmic com essa versão do driver. Se tudo der certo, então tá beleza!

Fora isso, às vezes o PC ficava um bocado lento, então resolvi instalar o KDE 3.5 usando uma PPA que mantêm essa versão do KDE para versões do Ubuntu a partir do Intrepid. O bom é que ele instala o KDE 3.5 na pasta /opt/kde3, isolando-o da versão 4 do KDE. Só que agora também estou tendo um problema de lerdeza com o KDE 3.5 durante o login e durante o uso. Em certos momentos, com tarefas simples e leves, como abrir um programa ou mesmo minimizar um, o ponteiro do mouse literalmente trava, e depois de às vezes um ou dois minutos é que o processamento me dá liberdade novamente. Agora mesmo eu estou digitando tranquilamente no Opera, mas se eu tentar abrir uma aba, vai demorar alguns segundos uma tarefa que não deveria tomar mais que alguns décimos. Devido a isso, se o KDE 3.5 não melhorar, serei forçado a: 1) Voltar para KDE 4 e ver se o desempenho melhora; 2) Partir para um ambiente gráfico diferente, como XFCE, Fluxbox ou até mesmo Gnome, se for preciso.

Bem, por hoje é só pessoal! Daqui a algum tempo falarei mais sobre minha experiência com o Karmic, e direi se resolvi meus problemas com minha placa de vídeo e a com a lerdeza do PC. Até!